Skip to main content

Vamos entender melhor sobre cirurgia de enxerto ósseo, todo cirurgião dentista que trabalha com reabilitações cirúrgicas, já se deparou com algum caso de reabilitação envolvendo enxertos ósseos e, para o tratamento de pacientes com essa indicação, é fundamental compreender um fator muito importante: a neoformação óssea. Cada biomaterial irá se comportar de uma maneira no organismo e isso influenciará diretamente no resultado cirúrgico.

Cirurgia de enxerto ósseo: O que são enxertos ósseos?

Os enxertos ósseos são procedimentos cirúrgicos que consistem na colocação de material ósseo na área onde há perda óssea significativa. Essa técnica é muito utilizada na odontologia para reconstruir a estrutura óssea que suporta os dentes, principalmente em casos de perda dentária ou periodontite avançada. Existem diversas indicações para o enxerto ósseo, e a escolha do melhor tipo de enxerto dependerá das condições clínicas do paciente e da extensão da perda óssea.

Os enxertos ósseos podem ser realizados com diferentes tipos de materiais, como enxertos autógenos (provenientes do próprio paciente), enxertos homólogos (provenientes de outro indivíduo da mesma espécie) e enxertos aloplásticos (provenientes de materiais sintéticos). Cada tipo de enxerto apresenta vantagens e desvantagens, e a escolha do material dependerá das condições clínicas do paciente e do objetivo do enxerto.

Tipos de enxertos para cirurgia de implante dentário com enxerto ósseo

Classicamente, os materiais para enxerto ósseo podem ser classificados como: 

1- Osteogênicos: tem potencial de formar novo osso a partir do próprio material devido à presença de osteoblastos vivos funcionais no próprio enxerto;

2- Osteoindutores: induzem a proliferação e função celular do osso em volta do enxerto;

3- Osteocondutores: tem a capacidade de manter um arcabouço físico por onde o novo osso possa crescer.

Como escolher o melhor biomaterial para a cirurgia de enxerto ósseo?

Os biomateriais são produtos desenvolvidos para substituir os tecidos ósseos que foram danificados, podendo ser usados para preencher defeitos. Para isto, eles devem apresentar algumas características, como a biocompatibilidade e boa propriedade estrutural, como a presença de porosidade interna, que é uma condição fundamental para a estabilização e neoformação. 

No mercado atual podemos encontrar uma variedade de opções, dentre eles:

1- Autógeno: é um  tipo de enxerto em que o osso é retirado do próprio paciente. É possível usar enxerto autógeno ósseo a partir de diferentes locais, como da calota craniana, costelas, bacia, mento ou ramos mandibulares. 

2- Aloplástico: é um tipo de enxerto produzido sinteticamente em laboratório. Pode ser composto de diferentes materiais, como polímeros, biovidros ou hidroxiapatita.

3- Alógeno: é um tipo de enxerto proveniente do banco de ossos humanos, ou seja, sua origem é de indivíduos da mesma espécie.

4- Xenógeno: é um tipo que enxerto que provém de um doador de outra espécie animal, de origem suína ou bovina. O osso é liofilizado e apresentado em forma de pó e/ou grânulos.

Indicações para a cirurgia de enxerto ósseo

Dentre as indicações mais comuns para o enxerto ósseo na odontologia, podemos destacar:

  1. Cirurgia de implante dentário com enxerto ósseo: quando há perda de um ou mais dentes, os implantes dentários são uma excelente opção para reabilitar a função e a estética do sorriso. Para que o implante seja bem sucedido, é necessário que haja uma quantidade adequada de osso disponível, caso contrário, é preciso realizar um enxerto ósseo para aumentar a espessura e a altura do osso alveolar.
  2. Periodontite avançada: a periodontite é uma doença que afeta as estruturas de suporte dos dentes, como o osso alveolar e o ligamento periodontal. Quando não tratada adequadamente, a periodontite pode levar à perda óssea e à perda dentária. Em casos avançados, é necessário realizar um enxerto ósseo para reconstruir o osso perdido.
  3. Traumatismos dentários: os traumas dentários podem levar à perda óssea e à reabsorção do osso alveolar. Nessas situações, o enxerto ósseo pode ser indicado para reparar a estrutura óssea e recuperar a função mastigatória e estética do sorriso.
  4. Doenças ósseas: algumas doenças ósseas podem levar à perda óssea e o enxerto ósseo pode ser utilizado para recuperar a estrutura perdida. 

Cirurgia de enxerto ósseo: Contra indicações

Assim como as indicações, as contra-indicações para o enxerto ósseo na odontologia também devem ser consideradas. Existem algumas condições clínicas que podem impedir a realização do procedimento, tais como:

  1. Infecção ativa: pacientes com infecção ativa no local do enxerto ósseo devem esperar até que a infecção seja tratada antes de realizar o procedimento. A presença de bactérias no local pode comprometer a cicatrização do osso e levar à perda do enxerto.
  2. Doenças sistêmicas: pacientes com doenças sistêmicas e doenças autoimunes, devem ser avaliados cuidadosamente antes de realizar o enxerto ósseo, pois podem comprometer a cicatrização do osso e aumentar o risco de complicações.
  3. Uso de medicamentos: pacientes que fazem uso de medicamentos que interferem na coagulação do sangue e bifosfonatos devem ser avaliados cuidadosamente antes de realizar o enxerto ósseo. Esses medicamentos podem aumentar o risco de sangramento e comprometimento da reparação óssea.
  4. Fumantes: pacientes fumantes devem ser orientados, pois o tabagismo pode comprometer a cicatrização do osso e aumentar o risco de complicações.
  5. Deficiências nutricionais: pacientes com deficiências nutricionais, como deficiência de vitamina D e cálcio, devem ser avaliados cuidadosamente antes do procedimento. A falta desses nutrientes pode comprometer a cicatrização do osso e levar à perda do enxerto.
  6. Falta de comprometimento do paciente: pacientes que não estão dispostos a seguir as orientações do cirurgião-dentista durante o período de recuperação podem não ser candidatos ao enxerto ósseo. A colaboração do paciente é fundamental para o sucesso do procedimento.

Como é o pré e pós-operatório de uma cirurgia de enxerto ósseo na odontologia?

A cirurgia de enxerto ósseo na odontologia é um procedimento essencial para restaurar a estrutura óssea e criar uma base sólida para tratamentos dentários, como implantes. No entanto, é importante compreender tanto o pré-operatório como o pós-operatório para garantir uma recuperação bem-sucedida. Por isso iremos explorar sobre os cuidados necessários antes e depois da cirurgia de enxerto ósseo, fornecendo informações valiosas para que os pacientes estejam preparados e saibam o que esperar durante todo o processo de recuperação. Aprenda como cuidar adequadamente da saúde bucal do seu paciente e ajudá-lo a alcançar os melhores resultados possíveis.


Pré-operatório 

Como sabemos o pré e pós-operatório de uma cirurgia de enxerto ósseo na odontologia requer cuidados especiais para garantir uma recuperação adequada. No pré-operatório, o paciente geralmente é submetido a exames radiográficos e avaliação clínica para determinar a necessidade do enxerto e o tipo de material a ser utilizado. Além disso, é importante informar o dentista sobre qualquer condição de saúde pré-existente, medicamentos em uso e alergias.

Procedimento cirúrgico

Durante a cirurgia de enxerto ósseo, é comum o uso de anestesia local para garantir o conforto do paciente. O procedimento envolve a remoção de uma pequena porção de osso de uma área doadora, como o próprio paciente ou um banco de ossos. Em seguida, o osso doador é fixado no local a ser enxertado e a área é suturada.

Pós-operatório

No pós-operatório, o paciente deve seguir as instruções fornecidas pelo dentista para garantir uma recuperação adequada. Isso inclui tomar medicamentos prescritos, como analgésicos e antibióticos, conforme orientação. É importante manter uma alimentação adequada, evitando alimentos duros ou quentes, e seguir uma higiene bucal rigorosa, tomando cuidado para não perturbar a área enxertada.

Recuperação

Além disso, é recomendado evitar atividades físicas intensas, evitar fumar e manter os devidos cuidados com a área cirúrgica, como não tocá-la com os dedos ou língua. O paciente também deve comparecer às consultas de acompanhamento para que o dentista possa avaliar a cicatrização e fazer os ajustes necessários no plano de tratamento.

Cada caso é único, e o tempo de recuperação pode variar. É essencial seguir todas as orientações do dentista e relatar qualquer desconforto ou problema durante o processo de recuperação. Com os devidos cuidados no pré e pós-operatório, a cirurgia de enxerto ósseo na odontologia tem altas taxas de sucesso e pode proporcionar uma base sólida para procedimentos futuros, como implantes dentários.

 É natural que os pacientes tenham dúvidas e preocupações

É natural que os pacientes tenham dúvidas e preocupações

Algumas dúvidas de pacientes sobre o tema:

Quando se trata de implantes dentários e procedimentos relacionados, é natural que os pacientes tenham dúvidas e preocupações. Afinal, é um assunto importante que envolve a saúde bucal e a qualidade de vida. Aqui abordaremos algumas das perguntas mais comuns feitas por pacientes sobre implantes dentários e enxertos ósseos e outros tópicos relacionados. Buscaremos fornecer informações precisas e esclarecedoras para ajudar a dissipar essas dúvidas e permitir que o paciente se sinta mais confiante em relação ao seu tratamento odontológico.

Existem sintomas de rejeição de implante dentário?

Sim, pode haver alguns sinais de rejeição de um implante dentário. Esses sintomas podem incluir dor persistente, inchaço, sensibilidade ou desconforto na área do implante, sangramento excessivo ou supuração, mobilidade do implante ou uma sensação de que o implante não está se integrando corretamente. É importante notar que a rejeição de implante é rara, mas se você está preocupado com algum desses sintomas, é crucial consultar seu dentista imediatamente para uma avaliação adequada.

Doutor, dente é osso também?

Embora os dentes sejam compostos principalmente de tecido duro, eles não são considerados ossos. Os dentes são formados por camadas de esmalte, dentina e polpa dentária, enquanto os ossos são constituídos principalmente de células ósseas e colágeno. Os dentes têm uma estrutura diferente dos ossos e desempenham funções distintas no sistema estomatognático.

Perda óssea dentária tem cura?

A perda óssea dentária pode ser tratada e gerenciada, mas, infelizmente, não há uma cura completa para a perda óssea dentária. No entanto, existem várias opções de tratamento, como implantes dentários e enxertos ósseos, que visam restaurar a estrutura óssea e fornecer suporte aos dentes ou próteses dentárias. É importante consultar um dentista especializado em implantes para discutir as opções de tratamento adequadas ao seu caso específico.

Doutor, eu já ouvi falar sobre implante de gengiva, isso existe?

Na verdade, não existe um implante de gengiva propriamente dito. O que pode ter sido mencionado é o enxerto de gengiva, que é um procedimento em que tecido gengival é removido de uma área saudável e transferido para outra área com deficiência de gengiva. Esse procedimento visa melhorar a estética e a saúde gengival, proporcionando uma aparência mais natural e uma proteção adequada aos dentes e implantes.

Após a cirurgia de implante dentário enxerto ósseo pode haver infecção, doutor?

Sim, após a cirurgia de implante dentário com enxerto ósseo, pode haver o risco de infecção, assim como em qualquer procedimento cirúrgico. É essencial seguir as instruções pós-operatórias fornecidas pelo seu dentista, como tomar os medicamentos prescritos, manter uma higiene oral adequada e evitar alimentos ou hábitos que possam comprometer a cicatrização. Caso sinta sintomas de infecção, como inchaço, vermelhidão, dor intensa ou pus na área operada, é importante entrar em contato com seu dentista imediatamente para avaliação e tratamento adequados.

Doutor, sinto como se fosse um osso saindo da gengiva, o que é isso?

Se você sente um osso saindo da gengiva, é possível que esteja experimentando a exposição ou irritação da crista óssea alveolar. A crista óssea alveolar é uma estrutura óssea que normalmente está coberta pelo tecido gengival. No entanto, em alguns casos, pode ocorrer retração gengival ou perda óssea, levando à exposição da crista óssea alveolar. Essa sensação de “osso saindo da gengiva” pode ser causada por diferentes fatores, como a presença de doença periodontal avançada, trauma ou mesmo a reabsorção óssea após a extração de um dente. É importante consultar um dentista para uma avaliação detalhada e determinar a causa exata.

“Avanços como simulação da cirurgia dentária em 3D é uma das novidades na área. Entenda mais a respeito Aqui!

Considerações Finais sobre a Cirurgia de enxerto ósseo

Em resumo, as indicações para o enxerto ósseo na odontologia são diversas e incluem desde a reconstrução do osso alveolar para colocação de implantes dentários até a reparação de perdas ósseas decorrentes de traumas ou doenças ósseas. A escolha do material para o enxerto dependerá das condições clínicas do paciente e do objetivo do procedimento. O sucesso do enxerto ósseo depende de diversos fatores e o paciente deve ser avaliado regularmente pelo cirurgião-dentista para garantir a saúde bucal e a qualidade de vida do paciente. Caso ainda tenha alguma dúvida sobre cirurgia de enxerto ósseo, não hesite em entrar em contato com nossos especialistas.