Skip to main content

O diagnóstico e o tratamento da perda óssea é um desafio para a comunidade odontológica, uma vez que  pode ser causada por diversos fatores e pode ter um impacto significativo na saúde oral e geral do paciente, já que o osso alveolar é responsável pelo suporte dos dentes. Vamos conhecer um pouco mais a respeito?

Nível ósseo

A altura e a densidade do osso alveolar são normalmente mantidas por um equilíbrio entre a formação e a reabsorção óssea. Quando a reabsorção excede a formação, a altura e a densidade do osso podem ficar reduzidas. O nível ósseo é uma consequência  de influências locais e sistêmicas e de experiências patológicas passadas.

 

Perda óssea associada à doença periodontal

A causa mais comum de destruição óssea na doença periodontal é a extensão da inflamação a partir da gengiva para o interior dos tecidos periodontais, que dão sustentação e suporte e marcam a transição da gengivite para a periodontite. A destruição periodontal se dá de maneira intermitente, com períodos de atividade  e de remissão e os fatores envolvidos na perda óssea são mediados por bactérias e pelo próprio hospedeiro.

 

Perda óssea associada por trauma de oclusão

O trauma de oclusão pode ocorrer na presença mas também na ausência de inflamação. Vamos ver a seguir:

  1. na ausência de inflamação: acontecem por variações na compressão e tensão aumentadas do ligamento periodontal, causando uma reabsorção da estrutura óssea e dentária.
  2. na presença de inflamação: o trauma de oclusão agrava  a destruição óssea causada pela inflamação e resulta em diferentes padrões ósseos.

 

Perda óssea causada por distúrbios sistêmicos

Como dito anteriormente, fatores locais e sistêmicos regulam o equilíbrio fisiológico do osso. Essa influência sistêmica sobre a resposta do osso alveolar pode aumentar a perda óssea iniciada pelos processos inflamatórios locais. Podemos citar como exemplo, a osteoporose.

A osteoporose é uma condição fisiológica que resulta em perda do conteúdo mineral e em alterações estruturais do osso. A periodontite e a osteoporose compartilham dos mesmos fatores de risco, como o tabagismo e doenças e/ou medicamentos que interferem na cicatrização.

 

Perda óssea associada a implantes dentários

A instalação  de um implante dentário automaticamente poderá causar uma   reação de corpo estranho estimulando um processo inflamatório. Em casos de implantes bem sucedidos, essa reação inflamatória e organismo do hospedeiro chegam a  um  ponto de equilíbrio, e a partir daí acontece a osseointegração.

Uma hipótese para a perda  óssea  pode  ser  a  colonização  de  bactérias presentes   na   superfície   do   implante   e   do   pequeno   espaço   entre   o   pilar intermediário e o implante que pode ser intensificado pelo desenho inadequado ou falta de estabilidade do pilar intermediário. 

Outros  motivos  tais  como:  tipo  de  conexão  do pilar/implante,  desenho  do  implante  e  sua  textura;  protocolo  cirúrgico,  trauma, osteotomia,  aperto  excessivo  do  implante  gerando  tensão, tabagismo, relação coroa/implante, podem afetar a perda óssea vertical e marginal. A literatura  mostra  que  a  sobrecarga  oclusal,  o incorreto  planejamento protético, a falta de ajustes oclusais, infecções marginais, atividades parafuncionais e as características do paciente são os principais  motivos  para  a  perda de implantes.

Tratamentos para perdas ósseas

O tratamento para perdas ósseas na odontologia pode depender da causa e do grau da perda óssea. Alguns dos tratamentos possíveis incluem:

  1. Enxerto ósseo: O enxerto ósseo é um procedimento cirúrgico em que é utilizado um osso autógeno, xenógeno ou alógeno e é colocado na área onde houve perda óssea. O enxerto ósseo ajuda a restaurar a altura e a espessura do osso alveolar para permitir a colocação de implantes dentários ou manter a estabilidade dos dentes naturais.
  2. Tratamento da doença periodontal: O tratamento da doença periodontal é importante para evitar uma maior perda óssea e manter a estabilidade dos dentes naturais. Isso pode incluir raspagem e alisamento radicular, terapias antimicrobianas, terapias fotodinâmicas e cirurgia periodontal.

É importante lembrar que o tratamento para perda óssea na odontologia pode ser um processo demorado e que é fundamental seguir as orientações do dentista para garantir a recuperação adequada.

Considerações Finais

A perda óssea oral pode ter diversas causas e efeitos prejudiciais na saúde bucal e geral do paciente. É importante que os pacientes estejam cientes dos riscos e dos sinais para que possam procurar tratamento. O diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento e para evitar complicações mais graves no futuro, como perdas dentárias.

Por fim, é importante lembrar que a perda óssea na odontologia não é uma condição irreversível e que existem tratamentos disponíveis para ajudar a restaurar 

o osso perdido e preservar a saúde bucal. O acompanhamento regular com o dentista pode ajudar a prevenir e tratar a perda óssea.