Skip to main content

Se você é cirurgião-dentista, com certeza deve saber que o conhecimento do tecido conjuntivo é fundamental para a compreensão da sustentação dos tecidos periodontais. Se você que está lendo é um paciente que deseja conhecer mais, fique aqui para entender mais sobre o assunto.

 

Tecido conjuntivo

Os tecidos conjuntivos são muito variados e encontram-se dispersos por todo o organismo, como por exemplo, a derme, os tendões, as cartilagens, e os ossos. Desempenham diversas funções como por exemplo, de união, de preenchimento de espaços, de suporte e de defesa. 

Ele é composto por células, fibras e matriz extracelular. As células incluem fibroblastos, células imunológicas, células adiposas, células endoteliais e células musculares lisas. As fibras incluem colágeno, elastina e reticulina. A matriz extracelular é formada por substâncias como glicosaminoglicanos, proteoglicanos e glicoproteínas.

 

O tecido conjuntivo na Odontologia

Na gengiva, ele é responsável por proteger os dentes e sustentá-los no maxilar e mandíbula. A gengiva é composta por uma camada superficial de epitélio e uma camada profunda de tecido conjuntivo. O tecido conjuntivo gengival é denso e rico em fibras colágenas, o que lhe confere resistência e elasticidade. Lesões gengivais podem levar à inflamação e perda de suporte aos dentes, o que pode resultar em periodontite.

O periodonto é o tecido que envolve e suporta os dentes, incluindo a gengiva, o ligamento periodontal, o cemento radicular e o osso alveolar. O ligamento periodontal é uma faixa de tecido conjuntivo que conecta o dente ao osso alveolar. Ele é composto por fibras colágenas e elásticas, que ajudam a amortecer os impactos na mastigação. O cemento radicular é uma camada de tecido mineralizado que cobre a raiz do dente. O osso alveolar é o osso que suporta os dentes na mandíbula e no maxilar.

O tecido conjuntivo também está presente na polpa dentária, que é o tecido mole no interior do dente. A polpa dentária é composta por nervos, vasos sanguíneos e células conjuntivas, que ajudam na nutrição e reparação do dente. A polpa dentária pode ser afetada por lesões e infecções, o que pode levar a dor de dente e necessidade de tratamento endodôntico. A matriz extracelular do tecido conjuntivo é importante para a reparação e cicatrização de lesões. Ela fornece um suporte para a proliferação de células e formação de novos tecidos. Na odontologia, a matriz extracelular é utilizada em técnicas de regeneração tecidual guiada, que consistem em colocar um material de matriz extracelular em uma lesão periodontal ou óssea para estimular a formação de novo tecido.

Tipos de tecido conjuntivo

Existem diversos tipos de tecido conjuntivo, cada um com características e funções específicas. Alguns dos principais tipos de tecido conjuntivo incluem:

  1. Tecido conjuntivo propriamente dito: é o tipo mais comum de tecido  e está presente em diversas partes do corpo, como a pele, os ossos e os órgãos. É composto por fibras colágenas, elásticas e reticulares, além de células como fibroblastos, adipócitos e células imunológicas. Tem função de suporte, preenchimento e nutrição de outras estruturas.
  2. Tecido adiposo: é um tipo de tecido  especializado na armazenagem de energia na forma de gordura. É composto principalmente por adipócitos, células que armazenam lipídios. O tecido adiposo também desempenha funções endócrinas, produzindo hormônios como a leptina e a adiponectina.
  3. Tecido cartilaginoso: é um tipo de tecido  que é encontrado em diversas partes do corpo, como as articulações, o nariz e as orelhas. É composto por células chamadas condrócitos, que produzem a matriz extracelular rica em colágeno e proteoglicanos. O tecido cartilaginoso é responsável por proporcionar suporte e amortecimento às articulações.
  4. Tecido ósseo: é um tipo de tecido duro e resistente, que compõe os ossos do corpo. É composto por células chamadas osteócitos, que produzem a matriz extracelular rica em colágeno e cristais de fosfato de cálcio. O tecido ósseo é responsável por fornecer suporte e proteção aos órgãos do corpo, além de ser importante na produção de células sanguíneas.
  5. Tecido hematopoiético: é um tipo de tecido presente na medula óssea, que é responsável pela produção de células sanguíneas. É composto por células-tronco hematopoiéticas, que se diferenciam em células sanguíneas maduras, como eritrócitos, leucócitos e plaquetas.
  6. Tecido conjuntivo frouxo: é um tipo de tecido  menos denso e mais flexível, que é encontrado em diversas partes do corpo, como os pulmões e o trato digestivo. É composto por células como fibroblastos e mastócitos, além de fibras colágenas e elásticas. O tecido conjuntivo frouxo é importante na nutrição e defesa dos órgãos.
  7. Tecido conjuntivo denso: é um tipo de tecido  mais denso e resistente, que é encontrado em locais que precisam de maior resistência, como tendões e ligamentos. É composto principalmente por fibras colágenas, além de fibroblastos e outras células. O tecido conjuntivo denso é responsável por fornecer suporte e estabilidade às articulações e aos músculos.

Enxerto de tecido conjuntivo

Uma das aplicabilidades do tecido conjuntivo em cirurgias odontológicas é o enxerto para o tratamento de recessões gengivais. Sabemos que o enxerto de  promove ganho clínico de inserção, de tecido queratinizado e recobrimento radicular, representando uma alternativa viável e previsível em recessões Classe I e II, podendo ser obtido do palato ou da tuberosidade.

Considerações finais

O tecido conjuntivo é especialmente importante, pois desempenha um papel fundamental na regeneração e reparação dos tecidos dentários, além de participar da formação do ligamento periodontal e da polpa dentária. O conhecimento sobre os diferentes tipos e suas características é fundamental para um tratamento odontológico eficaz. Para biomateriais e produtos odontológicos que contribuirão com seus procedimentos cirúrgicos, entre em contato com a Purgo.