Skip to main content

O desenvolvimento da Odontologia permitiu a regeneração de novos tecidos com uso de biomateriais, visando a reparação de tecidos lesionados e reprodução da função dos tecidos vivos. Na periodontia em específico, se utiliza uma técnica conhecida como RTG (regeneração tecidual guiada) e baseia-se em procedimentos guiados para regeneração tecidual, com a finalidade de formar de um novo aparato de inserção, como osso alveolar, cemento e ligamento periodontal. 

Tratamento de doença periodontal na Periodontia

A doença periodontal é induzida pelo acúmulo do biofilme bacteriano, em que alguns fatores de risco devem ser considerados, como uma dieta pouco saudável, higiene oral deficiente e tabagismo. O processo inicia-se pelo acúmulo de bactérias gram positivas e aeróbias na região próxima ao sulco gengival formando o biofilme, seguido de um processo inflamatório, caracterizado como gengivite.

Sequencialmente há presença de bactérias gram negativas e anaeróbias que proliferam, persistindo a inflamação, liberando citocinas e enzimas, promovendo a destruição dos tecidos periodontais, que é um fator característico da doença periodontal. A doença periodontal não tratada leva à destruição dos tecidos, que pode ocasionar perda de inserção clínica, reabsorção óssea, recessão gengival, presença de bolsas periodontais caracterizado como periodontite, que é uma doença infecciosa que tem como consequência local mais comum a perda dentária.

O tratamento inicia-se com remoção do biofilme e cálculo dentário, através de raspagem supra e subgengival, utilizando instrumentos manuais e/ou ultrassom, instruindo o paciente sobre higiene oral, e utilizando também outras técnicas associadas para a descontaminação local e eliminação da inflamação, como acesso cirúrgico de raízes com bolsa periodontal, gengivectomia e gengivoplastia resultando na formação de um epitélio juncional para recobrimento da raiz dentária.

Procedimentos cirúrgicos têm mudado significativamente o conceito de regeneração, pois requer a formação de um novo reparo de inserção e sustentação do periodonto em decorrência da doença. A regeneração é a formação de uma nova estrutura, um novo tecido, através do crescimento e diferenciação celular.

Objetivo da regeneração tecidual guiada

O objetivo das técnicas regenerativas é reconstituir a parte perdida dos tecidos periodontais causados pela doença, de modo a restabelecer a função dessas estruturas, com intuito de regenerar os tecidos de suporte do dente, que incluem osso alveolar, cemento e ligamento periodontal. 

A regeneração tecidual guiada visa separar a ferida óssea com uso de uma barreira física (membrana) entre o retalho mucogengival e o osso alveolar, na busca de proteger o coágulo sanguíneo formado no defeito periodontal e permitindo a organização do coágulo em matriz provisória e para que células progenitoras possam migrar do ligamento periodontal e osso alveolar repovoando a ferida com finalidade de regenerar o tecido.

 

Utilização de membranas

regeneração tecidual guiada

Veja mais imagens.

As técnicas de RTG utilizam membranas, para evitar o contato de células epiteliais e conjuntivas na superfície radicular, de modo que somente as células provenientes do ligamento periodontal povoem e se proliferem na área, pois são células capazes de neoformar cemento e ligamento periodontal.

Alguns requisitos devem ser considerados no uso de membranas para regeneração tecidual como:

  1. boa irrigação para os tecidos;
  2. bom gerenciamento clínico;
  3. facilidade de utilização e atividade biológica;
  4. possibilidade de criar espaços;
  5. ter resistência adequada e biocompatibilidade. 

Existem vários tipos de membranas que podem ser utilizadas na RTG e elas podem ser classificadas em absorvíveis e não reabsorvíveis:

  • Membranas absorvíveis: as membranas absorvíveis têm como vantagem menor número de complicações clínicas como dores e edemas, menor recessão gengival, não requer uma segunda intervenção cirúrgica, não traumatiza o tecido recém-formado e têm menos risco de exposição.
  • Membranas não absorvíveis: as membranas não absorvíveis mantém sua integridade estrutural, podendo ser deixada por muito tempo nos tecidos e também permite a passagem dos vasos sanguíneos para a vascularização da área. Dentre suas desvantagens estão a adaptação incompleta da membrana, além do potencial de afetar os tecidos em regeneração.

Estude mais a fundo sobre: Regeneração tecidual, Materiais Biocompatíveis, Membranas, Doença periodontal, neste contéudo.

Considerações Finais: regeneração tecidual guiada

A regeneração tecidual guiada é uma opção de tratamento cirúrgico que envolve a associação de membranas, biomateriais e derivados, que são considerados de extrema importância para o sucesso da técnica. 

A utilização de membranas nas regenerações exercem papel fundamental e influenciam diretamente na manutenção do volume. O tempo de absorção é importante aspecto a ser considerado na seleção da membrana, bem como sua biocompatibilidade, para gerar a menor resposta inflamatória possível. 

Para conhecer mais sobre produtos e tecnologias que podem te auxiliar na melhora da performance clínica e nos resultados cirúrgicos, entre em contato com o time de especialistas da Implantec, que estará pronto para te atender e oferecer o que há de melhor em substitutos ósseos e membranas do mercado.