Skip to main content

Quando nos referimos aos biomateriais na odontologia podemos simplificar dizendo que são materiais projetados para serem compatíveis com os tecidos orais e dentários com a finalidade de estruturar, reparar e restaurar. A escolha do material adequado depende da necessidade clínica, da região a ser restaurada ou tratada, em alguns casos da preferência do paciente e das habilidades do profissional. É importante ressaltar que a evolução tecnológica e científica continua a trazer novos biomateriais e a aprimorar os biomateriais existentes na Odontologia.

Os biomateriais na Odontologia

O uso de biomateriais relacionados à saúde humana começou nos anos antes de Cristo, quando os egípcios produziam suturas de linho ou ouro e, desde então, foram desenvolvidos estudos e pesquisas para o aperfeiçoamento dos produtos que encontramos no mercado. Os biomateriais podem ser classificados de acordo com sua origem e devem apresentar compatibilidade com os tecidos em relação às propriedades físicas e biológicas para garantir eficácia e excelentes resultados.

Existem diversos tipos de biomateriais para várias áreas da Odontologia. Vamos ver alguns exemplos a seguir:

  1. Dentística e Prótese: produtos restauradores como: amálgamas, resinas compostas, cimentos de ionômero de vidro, cimentos provisórios e definitivos, cerâmicas, ligas metálicas, acrílicos, dentre outros;
  2. Implantodontia: implantes dentários de titânio e zircônia;
  3. Endodontia: materiais obturadores como cimentos e guta percha;
  4. Cirurgias: materiais para enxertos de tecidos moles e tecidos ósseos como membranas, substitutos ósseos e fios de sutura biocompatíveis.

Os biomateriais em cirurgias de enxertos ósseos

O expressivo desenvolvimento de biomateriais para utilização em clínica odontológica na última década tem representado um poderoso instrumento terapêutico nas atividades cirúrgicas, especialmente nas correções de defeitos ósseos. A substituição do tecido ósseo se faz necessária muitas vezes na rotina clínica, por diversos motivos, que podem compreender: fraturas, extrações, neoplasias ósseas ou condições bucais que resultam em perda óssea.

A regeneração óssea se inicia em uma etapa cirúrgica em que será realizado o enxerto. Classicamente, os materiais para enxerto ósseo podem ser classificados como: 

1- Osteogênicos: tem potencial de formar novo osso a partir do próprio material devido à presença de osteoblastos vivos funcionais no próprio enxerto;

2- Osteoindutores: induzem a proliferação e função celular do osso em volta do enxerto;

3- Osteocondutores: tem a capacidade de manter um arcabouço físico por onde o novo osso possa crescer.

Regenerações ósseas

Para a obtenção de uma regeneração óssea eficiente, o material de enxerto ideal deve obedecer os seguintes requisitos: 

1) biodisponibilidade;

2) promover a osteogênese; 

3) não apresentar resposta imunológica do hospedeiro; 

4) estimular a angiogênese; 

5) estimular a osteoindução; 

6) promover a osteocondução; 

7) ser substituído completamente por osso em quantidade e qualidade semelhante ao do hospedeiro.

Conheça mais a fundo sobre Regeneração óssea: como funciona na prática?

Como escolher o melhor biomaterial para a regeneração óssea?

Os biomateriais são produtos desenvolvidos para substituir os tecidos ósseos que foram danificados, podendo ser usados para preencher defeitos. Para isto, eles devem apresentar algumas características, como a biocompatibilidade e boa propriedade estrutural, como a presença de porosidade interna, que é uma condição fundamental para a estabilização e neoformação. 

No mercado atual podemos encontrar uma variedade de opções, dentre eles:

1- Autógeno: é um  tipo de enxerto em que o osso é retirado do próprio paciente. É possível usar enxerto autógeno ósseo a partir de diferentes locais, como da calota craniana, costelas, bacia, mento ou ramos mandibulares. 

2- Aloplástico: é um tipo de enxerto produzido sinteticamente em laboratório. Pode ser composto de diferentes materiais, como polímeros, biovidros ou hidroxiapatita.

3- Alógeno: é um tipo de enxerto proveniente do banco de ossos humanos, ou seja, sua origem é de indivíduos da mesma espécie.

4- Xenógeno: é um tipo que enxerto que provém de um doador de outra espécie animal, de origem suína ou bovina. O= osso é liofilizado e apresentado em forma de pó e/ou grânulos.

Entre os materiais citados acima, o enxerto xenógeno de origem porcina se apresenta como uma das melhores opções em relação à neoformação óssea, pois apresenta uma formação muito parecida ao osso medular humano, incorporando-se facilmente ao tecido de forma segura ao paciente.

Além disso, o biomaterial de origem porcina se tornou o padrão ouro na regeneração óssea, se mostrando altamente efetivo clínica e cientificamente, com índices de compatibilidade de 98,8% com o DNA humano. A sua estrutura natural com alta pureza representa resíduos proteicos menores que o enxerto de origem bovina e a sua alta porosidade e remodelamento antecipado, aumentam a performance clínica. Isso facilita tanto a aplicação do biomaterial ao defeito, como também leva a uma incorporação mais rápida após a implantação.

Uma grande superfície de contato também é um fator chave para os materiais de enxerto, que não resulta somente na maior disponibilidade de área para a adesão dos osteoblastos, mas também facilita a troca de nutrientes e resíduos celulares, e permite uma grande quantidade de sangue, proteínas e fatores de crescimento serem absorvidos para dentro da matriz, caracterizando uma neoformação óssea de extrema qualidade e eficiência.

Biomateriais na odontologia: Considerações Finais

Tendo em vista a importância das reconstruções ósseas na cirurgia odontológica, é necessário conhecer a viabilidade e a influência dos biomateriais na reparação óssea. Portanto, pesquisar o mercado atual e o que ele oferece, impacta diretamente nos resultados obtidos na rotina clínica e cirúrgica. 

Biomateriais altamente tecnológicos, com segurança e pureza, certamente estabelecem uma neoformação óssea de qualidade, e como consequência, um paciente muito mais satisfeito. Cabe ao cirurgião dentista dominar as técnicas, para que consiga avaliar, diagnosticar e tratar cada caso com suas especificidades.

Se você é um cirurgião-dentista que deseja elevar seus resultados e a técnica cirúrgica, entre em contato  com o time de consultores da  Implantec Brasil, que irão indicar o melhor e mais biocompatível biomaterial do mercado, garantindo tecnologia e qualidade nos resultados.