Skip to main content

Regeneração óssea: Quando um elemento dentário é perdido, a redução de altura e espessura do rebordo pode variar no processo de reabsorção do osso alveolar. A reabsorção do rebordo alveolar após a exodontia é uma consequência inevitável, e ocorre por um padrão inconsistente de modelação e remodelação ósseas fisiológicas, gerando perda progressiva do rebordo alveolar. 

Biologia da regeneração óssea

Regeneração óssea

Estrutura do dente humano

A regeneração óssea é um processo complexo que envolve a interação de diversos tecidos, células e moléculas que trabalham juntos para promover a formação de novo tecido ósseo. Esse processo pode ocorrer naturalmente após uma fratura óssea, mas também pode ser estimulado artificialmente para tratar defeitos ósseos ou para melhorar a estabilidade de implantes dentários.

A regeneração óssea é um processo biológico que envolve diversas etapas:

  1. O primeiro passo é a formação de um coágulo de sangue no local da lesão. Esse coágulo serve como uma matriz para a migração de células sanguíneas e de tecidos que serão responsáveis pela formação do tecido ósseo. 
  2. Em seguida, ocorre a migração de células inflamatórias para o local da lesão, que promovem a limpeza da área e a remoção de tecidos danificados. Essas células são responsáveis por secretar moléculas que estimulam a formação de novos vasos sanguíneos (angiogênese) e que recrutam outras células importantes para a formação do tecido ósseo.
  3. Após a fase inflamatória, ocorre a formação de um tecido de granulação, que serve como uma matriz para a formação do novo tecido ósseo. Esse tecido de granulação é composto por células mesenquimais, que podem se diferenciar em osteoblastos, células que sintetizam e depositam o colágeno e os minerais que compõem o tecido ósseo. Além disso, o tecido de granulação também contém células osteoclásticas, que são responsáveis por remover o tecido ósseo danificado ou morto.
  4. Para que os osteoblastos possam realizar sua função de formação do tecido ósseo, é necessário que haja um suprimento adequado de nutrientes, oxigênio e fatores de crescimento. Esses fatores de crescimento podem ser produzidos por diversas células, como as células mesenquimais, as células inflamatórias e as células endoteliais, que formam os vasos sanguíneos.

 

Fatores que influenciam na regeneração óssea

A regeneração óssea pode ser influenciada por diversos fatores externos, como o tabagismo e a nutrição. O tabagismo é um fator que pode prejudicar a regeneração óssea, uma vez que os componentes do cigarro podem afetar a angiogênese e a função das células osteoblásticas. Por outro lado, uma dieta rica em nutrientes como cálcio, fósforo, vitamina D e vitamina K pode favorecer a formação de novo tecido ósseo.

A regeneração óssea também é influenciada por fatores hormonais. Por exemplo, o hormônio do crescimento é importante para o crescimento ósseo durante a infância e a adolescência. Já o hormônio paratireoidiano (PTH) é importante para a manutenção do tecido ósseo e pode ser utilizado como uma terapia para tratar a osteoporose.

 

Regeneração óssea guiada

O princípio biológico da regeneração óssea guiada (ROG) consiste na repopulação de células que tenham potencial osteogênico, utilizando de barreiras biológicas chamadas de membranas, que criam e mantém espaço impedindo a migração de tecidos não-osteogênicos para os defeitos ósseos. 

A prevenção da reabsorção se inicia com a manutenção do coágulo dentro do alvéolo ósseo remanescente, pois este tem rico suprimento de fatores envolvidos na cicatrização. Para melhorar a regeneração do alvéolo e modificar o processo de reabsorção estão sendo indicadas técnicas de regeneração óssea guiada e uso de materiais para substituição óssea.

O osso é um tecido de crescimento lento, tanto fibroblastos como células epiteliais têm a oportunidade de ocupar o espaço existente com eficiência em construir um tecido conjuntivo mole muito mais rápido do que o osso é capaz de crescer. Assim, o mecanismo biológico é a exclusão das células indesejáveis no espaço preenchido pelo coágulo sobre a membrana. 

Células troncos e osteoprogenitoras vão se diferenciar em osteoblastos e depositar matriz óssea. Sendo assim, a membrana vai criar esse espaço que permitirá ao osso usar seu processo natural de modo mais previsível.

 

Utilização de membranas

As membranas são colocadas sobre defeitos ósseos estreitamente adaptados à superfície do osso que envolve o alvéolo, criando uma proteção. A membrana irá atuar como uma barreira, que inibe as células não osteogênicas dos tecidos moles de participarem na regeneração dos detritos ósseos e permite que as células osteogênicas da medula óssea adjacente participem da regeneração. A membrana ao redor do alvéolo evita que as células do epitélio bucal e do tecido conjuntivo participem da reparação do defeito ósseo, deixando que as células osteoblásticas tenham prioridade. Através do processo biológico natural, as membranas vão proporcionar regeneração óssea funcional com estabilidade mecânica do coágulo e a manutenção do espaço preenchido através do isolamento dos tecidos indesejáveis no local da regeneração. Dessa forma, torna-se importante a realização desta pesquisa, preservando o rebordo do paciente e dando possibilidades reais de devolução funcional e estética da região, trazendo também o conforto mastigatório para esse paciente. 

Veja mais neste conteúdo sobre Regeneração óssea na implantodontia.

Considerações Finais

A regeneração óssea é um processo complexo que envolve a interação de diversos tecidos, células e moléculas. A compreensão dos mecanismos envolvidos na regeneração óssea é fundamental para o desenvolvimento de novas terapias e para o avanço da odontologia e da medicina regenerativa como um todo.

Para conhecer mais sobre produtos e tecnologias que podem te auxiliar na melhora da performance clínica e nos resultados cirúrgicos, entre em contato com o time de especialistas da Implantec, que estará pronto para te atender e oferecer o que há de melhor em substitutos ósseos do mercado.